EXPLICATUDO

EXPLICATUDO

A MULHER NA LITERATURA PORTUGUESA

No Sec. XIX os românticos idealizam muito a mulher ( Dulce, Joaninha, respectivamente em Herculano e Garrett) mas os autores de transicção para o Realismo (Camilo, Júlio Dinis) começam a observar atentamente a psicologia feminina.

Certas heroínas de Camilo, enérgicas, virís, umas na defesa de um amor puro, outras (mulheres "fatais" que são) na perfídia com que enredam os apaixonados, traduzem bem a realidade portuguesa; a Mariana do Amor de Perdição é uma figura bem castiça, a um tempo desenvolta, afeita a trabalhos, e capaz de ternura e humilde abnegação no amor.

Já diverge bastante o prisma queiroziano, segundo o qual a burguesinha lisboeta (essa "burguesinha do Catolicismo" que perpassa nos versos de Cesário) é o produto fútil e indefeso de uma educação errada.

Depois de Eça de Queiroz, em cuja obra, com audácia sem precedentes, se faz avultar a sensualidade feminina, cada vez as figuras de mulher, na prosa de ficção, suscitam mais detida análise, quer do ponto de vista individual, quer do ponto de vista social.

E para essa análise corajosa e reivindicadora notavelmente estão contribuindo as mulheres que cultivam as letras.

No século XX e principalmente nas últimas décadas, não só aumentou extraordinariamente o número de escritoras como as suas obras ganharam uma força original, uma independência de observação e de juízo que não têm precedentes, já na poesia, de Florbela Espanca, de Fernanda de Castro, de Sophia de Mello Breyner Andresen etc.



19/12/2007
0 Poster un commentaire

Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour